Abimaq organiza pool para importar aço

Fabricantes de bens de capital dizem que ainda há dificuldade de compra do material no país e que as siderúrgicas estão com preços exorbitantes 

Empresas fabricantes de máquinas, equipamentos e outros bens de capital do país, por meio da sua entidade setorial Abimaq, vão se reunir na próxima segunda-feira para discutir um programa de importação de aço, de forma a garantir a regularização do abastecimento da matéria-prima.

A avaliação é que o desarranjo que ocorreu no fornecimento da cadeia produtiva de insumos e materiais no país não vai se ajustar tão cedo – há empresa do setor que prevê dificuldades para conseguir material, com regularidade de entrega, até o final do ano.

Além desse problema que alegam, os fabricantes dizem que os preços praticados pela siderúrgicas e distribuidores locais estão bem mais elevados que o material importado, principalmente na rede varejista – que vende o material em lotes menores e até com serviços, como corte.

O objetivo é importar uma parcela do que se consome e, assim, completar o volume que é adquirido no Brasil. Segundo informações de fabricantes, que pediram anonimato, além do tempo mais longo de entrega, aqui as usinas siderúrgicas e distribuidores, muitas vezes, só entregam metade ou até 70% do volume pedido.

Segundo a Abimaq, que tem 1,6 mil associados, foram convidadas empresas das 41 câmaras setoriais da entidade. Quatro delas já se reuniram no fim de maio com importadores para indicar volumes de pedidos. Elas são ligadas ao agronegócio (fabricação de implementos e máquinas agrícolas, silos para armazenagem e equipamentos de irrigação.

O propósito da reunião de segunda-feira é formar um pool de empresas que consiga montar um volume grande de compra. As empresas estão ciente que um pedido, colocado agora, vai demorar de quatro a cinco meses até receber o produto importado. Boa parte do material importado vem da China, além de outras fontes.

O setor consome diversos tipos de aço: laminados (chapas grossas, bobinas a quente e a frio, galvanizados, aços especiais, inox, fundido e forjado). Do volume de aço consumido no país, a fabricação de bens de capital (máquina, equipamento e implemento agrícola) responde por 20,5%. O consumo nacional total foi de 21,5 milhões de toneladas em 2020.

“O preço do aço no Brasil está quase proibitivo e as entregas ainda não se normalizaram. Há dificuldade em se conseguir chapa galvanizada para montagem de silos”, diz José Velloso, presidente executivo da Abimaq. “As siderúrgicas e os distribuidores de aço estão esfolando os clientes com as seguidas altas de preços”.

Marco Polo de Mello Lopes, presidente do Instituto Aço Brasil, que reúne as siderúrgicas no país, disse que a situação vem se normalizando, porque isso foi, e continua, um problema mundial. E afirmou que as usinas não trabalham com estoques, mas com programação de pedidos.

Sobre o “lead time” – tempo da colocação do pedido ao recebimento -, afirmou que houve mesmo dilatação devido ao desequilíbrio ocorrido no fornecimento da cadeia produtiva, mas que já está normalizado. “A importação é uma opção comercial, tanto que entrou mais de 1 milhão de toneladas no país de janeiro a abril”, diz. Segundo ele, o pessoal da Abimaq pode fazer pool para importar, se é uma opção melhor, mas pode também fazer pool para comprar nas usinas brasileiras.

Um distribuidor informou ao Valor que o desarranjo está aos poucos se normalizado – as usinas estão com entregas fortes e a importação cresceu em maio.

Velloso diz que há condição de se importar a preço competitivo, com pacote completo (frete, prazo de pagamento, hedge cambial).

Sobre os preços, um fabricante disse que, de março do ano passado até maio, sua empresa contabilizou aumento de 140%. Diz que no Brasil subiu mais do que lá fora e que não há previsão de baixar. Outro reclama que muitas usinas deixam de cumprir os pedidos e que isso se agravou a partir de novembro. Acrescenta que a indústria de médio porte ficou muito vulnerável para atender seus clientes.

Fonte: Valor
Seção: Siderurgia & Mineração
Publicação: 11/06/2021

 

Tudo para seus projetos

Não importa o tamanho, a RDG atende suas necessidades em produtos siderúrgicos.